William Carvalho

Antigo médio do Sporting foi ouvido esta sexta feira na 24ª sessão do julgamento do ataque a Alcochete.

William Carvalho fez graves acusações onde acusa Bruno de Carvalho de ter dado ordens para a Juve Leo ” partir os carros aos jogadores “.

” Mustafá’ [n.d.r. líder da Juventude Leonina] ligou-me a dizer que o presidente Bruno de Carvalho lhe tinha pedido para ameaçar os jogadores e partir-lhes os carros “, afirmou o médio internacional português agora no Bétis de Sevilha, que foi ouvido no Tribunal de Monsanto via Skype.

Um telefone que, segundo William, aconteceu «um ou dois meses antes» de uma reunião após a derrota com o Atlético Madrid, para a Liga Europa. Nessa reunião, o então presidente leonino terá dito a William que este já devia ter deixado o clube há muito tempo, ao que o jogador respondeu: «Você devia ter vergonha de dizer isso. ”

E revelou que conhece quatro dos arguidos no processo, sendo que reconheceu um deles durante o ataque, no corredor junto ao balneário, apesar de estar com a cara tapada: «Reconheci o Valter Semedo quando sai do balneário e ia a tentar fugir para a casa de banho. Foi aí que o vi. Perguntei ao Valter Semedo o que se passava e ele respondeu-me: ‘William, depois falamos’.»

Recordando as «marcas vermelhas no rosto de Jorge Jesus e Bas Dost com a cabeça partida», William confessou ter entrado em pânico durante a invasão: «Tive muito medo, quando me agarraram estava numa situação de impotência, fiquei sem saber o que fazer, estava em pânico.»

Deixe uma resposta

Your email address will not be published.